Público bate-papo com atriz de Black Off

Evento faz parte da programação de atividades formativas do FILO. A sul-africana Ntando Cele se despede hoje do Festival, com ingressos esgotados.

A primeira atração internacional da 49ª edição do FILO abordou um dos temas mais incômodos da sociedade: o racismo. Hoje pela manhã, na Biblioteca Pública Municipal, a atriz Ntando Cele participou de um bate-papo com o público do Festival e falou sobre a performance e sua história com o racismo. O evento faz parte da programação formativa do FILO e é aberta a todos. O espetáculo “Black Off” – coprodução da atriz sul-africana Ntando Cele, em parceria com a companhia Manaka Empowerment Productions – encerra a sua participação no Festival hoje, (sábado 19), às 19 horas, no Teatro Mãe de Deus, com ingressos esgotados.

“Black Off tem muitas camadas de mim, como se fosse me descascando, na esperança que as pessoas me vejam como um ser humano, não apenas como mais uma garota negra”, diz a performer que interpreta personagens que escancaram o preconceito de forma intensa e provocadora. A montagem “Black Off” explora linguagens e recursos variados (vídeo, texto, música ao vivo).

Luiza Ramos e Manuela Victorelli (Foto: Fábio Alcover)

Para as estudantes Luiza Carneiro Ramos,  de 18 anos, e Manuela Monteiro Victorelli, 17 anos, que assistiram à apresentação de estreia do grupo no FILO 2017, a montagem pode ser definida como agressiva e intrigante. “Foi bem provocante; parece que é para te tirar do conforto”, comenta Luiza. “Ela faz as pessoas se sentirem desconfortáveis. Trata de assuntos que geram dúvidas sobre nosso comportamento”, assume Manuela.

Cele também contou sobre o processo de chegar a falar publicamente sobre racismo e o incômodo provocado pelo preconceito. “Se você tem um problema, as pessoas não querem ouvir, especialmente no teatro. Eu passei muito tempo tentando não falar sobre o assunto [racismo]. Eu me sinto empoderada, mas levei muito tempo para chegar nisso”.

Leticia Pocaia (Foto: Fábio Alcover)

A estudante de artes cênicas Letícia Pocaia, 22, preferiu ir primeiro ao bate-papo com a atriz antes de ver o espetáculo. “Espero que seja incrível”. A jovem desenvolve pesquisa sobre o empoderamento negro e se diz inspirada por Ntando Cele. “Gosto muito do FILO e sentia falta de atores negros falando dessa temática”, conclui.

O próximo bate-papo será na segunda-feira, dia 21, na Biblioteca Pública, às 10h, com a atriz paranaense Nene Inoue que participa do FILO com o espetáculo “Para Não Morrer”, em cartaz amanhã e segunda na Usina Cultural, às 21 horas.  Os bate-papos são gratuitos e abertos a todos os interessados. Mais informações sobre as atividades formativas pelo telefone: (43) 3322 1030.

 

Assessoria de Comunicação FILO

Ficha Técnica

Texto: Ntando Cele e Raphael Urweider
Direção e atuação: Ntando Cele
Composição/ Piano: Simon Ho
Guitarra: Patrick Abt
Bateria: Pit Hertig
Técnico: Maria Liechti
Produção: Michael Röhrenbach
Coprodução: Migros Culture Percentage.

Apoio: Pro Helvetia – Swiss Arts Council.

Uma coprodução com o PRAIRIE, modelo de coprodução do Migros Culture Percentage para companhias de teatro e dança inovadoras da Suíça.

 

2017-08-20T12:49:27+00:00 19 de agosto de 2017|