CIA TRANSLÚCIDAS (LONDRINA – PR )

Corpos políticos, corpos poéticos

A violência não apaga o brilho e nem o poder desses corpos vibrarem – e de contarem histórias

Os seus corpos vivenciaram histórias que deixaram marcas, pegadas, impressões – tudo em forma de fragmentos que só podem ser recompostos como experiência comum quando as suas histórias são recuperadas, reconstituídas, partilhadas. Então surgem as perguntas: “o que é um corpo?”, “o que pode um corpo trans?”, “pode uma travesti falar?’, “o que é ser normal?

Nessa arrojada montagem em que traz à cena o viver de uma perspectiva LGBTQ, a Cia Translúcida vê mais verdade nas perguntas do que nas respostas. “Transtornada, Eu” é narrada a partir de lembranças de diferentes histórias que são comuns a transexuais, perseguidos e humilhados por suas escolhas – o Brasil é um dos países do mundo onde mais violência se comete contra pessoas LGBTQs, com índices de assassinatos alarmantes.

Mas a violência não apaga o brilho e nem o poder desses corpos vibrarem – e de contarem histórias. Aqui, são os corpos que falam numa espécie de teatro de revista futurista. O espetáculo tem todo o glamour das inumeráveis noites em que os desejos desimpedidos pulsam, brilham cheios de luzes e alegrias. Mas suas histórias não podem ser contadas com a linearidade dos romances água com açúcar – pois suas histórias transtornam e, na proposta desta dramaturgia coletiva, o transtorno pode ser inevitável quando perguntas e respostas confluem: afinal, o que é ser “normal”?

 O corpo como instrumento político e poético ganha voz. E, diante dos estereótipos e clichês que patologizam modos de vida desviantes, “Transtornada, Eu” convida e instiga no público novas leituras, novos olhares, dando visibilidade ao corpo trans e todas as questões que o cercam. A montagem propõe: os caminhos são muitos – e teatro, território do corpo, é um deles.

FICHA TÉCNICA

Concepção geral: criação coletiva
Elenco: Linaê Mello, Mel Campus, Rafael Avansini, Herbert Proença
Participação em vídeo: Christiane Lemes
Texto: criação coletiva a partir de textos pessoais e textos de Susy Shok, Linn da Quebrada, Fauzi Arap e José Régio.
Figurino: criação coletiva com participação de Josyane Barandão. 
Arte visual: Carolina Sanches 
Registro audiovisual: Fagner Bruno de Souza
Operadora de luz: Daniele Stegmann
Contrarregra e operadora de som: Maria Rita Pereira

Classificação indicativa: 18  anos
Duração: 60 min.

Data: 25/08/2019 - 21h30

Cia:

Local: Canto do MARL - Av. Duque de Caxias, 3241

Ingressos: https://www.diskingressos.com.br/evento/625/25-08-2019/pr/londrina/transtornada-eu